sexta-feira, 3 de agosto de 2012

A história do black metal parte 3 de 3: o Brasil e os anos 90, a década dos grandes debuts

Finalmente, quase um ano depois, estou aqui para fechar esta série de posts. Como sempre falo e deixo claro que o black metal, é a vertente do metal que mais curto, ou a vertente que tem mais bandas e mais discos que gosto, curto um pouco de tudo, clássico, jazz, blues, mpb, rock, pop e metal em geral, e garanto que 1/3 das minhas coleções, vinis, cds e mp3 são de black metal e o restante de álbums variados dos estilos citados anteriormente.

O Black Metal tem um “Q” de interessante pois nem as bandas mais pop, mais traiçoeiras e vendáveis do estilo conseguem entrar no verdadeiro mainstream pop, mesmo se vendendo ostensivamente. O estilo é revestido de uma película intransponível de “anti-trend”. Hoje em dia o Black Metal não é nem de longe o que foi na década de 80 e início dos 90, as bandas viraram mais do mesmo com raríssimas exceções. O seu primo mais próximo, o death metal é em sua maioria esmagadora, muito mais polido, limpo e digerível às grandes massas. Existe uma inclinação dos músicos de death metal a serem virtuosos, em se preocuparem com as composições como se fossem óperas e isso acaba por tornar o estilo chato pra mim. Eu curto muito algumas poucas bandas de death, já extensivamente faladas aqui no blog e são elas Deicide, Morbid Angel, Necrophagia, Grand Belial´s Key, alguma coisa do Death e mais um disco ou outro esquecido por aí ...

Eu, definitivamente, não acho que virtuosidade e técnicas absurdamente concebidas garantem uma sonoridade perfeita, claro que não! A música em todas as suas vertentes precisa de alma, precisa ser um receptáculo dos sentimentos e emoções de quem as concebe, é o conjunto da obra que dirá a verdade. E o mais importante de tudo, a capacidade do ouvinte em tecer suas interpretações do trabalho apreciado, pois fica a cargo dele o veredito final, porque o artista pode até tentar incutir na cabeça do ouvinte suas aspirações, mas serão suas (do ouvinte) experiências, necessidades, anseios e a “vibe” que estiver inserido que criarão o ambiente propício a uma boa degustação sonora. É direito inalienável do ouvinte interpretar a obra que está em suas mãos da maneira que julgar mais adequada e isso vale para qualquer vertente artística.

Cessadas as elocubrações, vamos ao post...

O nosso grande Brasil na década de 80 presenteou o mundo com diversas bandas espetaculares, com um som bem extremo e diferente do que rolava principalmente na Europa e nos Estados Unidos. Neste decênio o Death Metal e o Black Metal andavam de mãos dadas, eram poucas características que diferenciavam um do outro, quase imperceptíveis e a questão do rótulo é muito complicado, ainda mais se tratando deste período que ambos os estilos death e black estavam no seu berço onde até os próprios músicos não sabiam dizer onde se encaixavam na vasta família do metal. Falaremos um pouco dos meus discos favoritos desta época concebidos no Brasil e depois falaremos dos anos 90...

Existem alguns trabalhos nacionais desta época aos quais eu tenho o maior carinho e foram responsáveis pelo papel importantíssimo que o país tem na música extrema, irei citá-los:

WARFARE NOISE I 1986– É um disco único, demonstra a garra e a pegada que as bandas brasileiras mais especificamente mineiras, tinham e que, por tantas vezes a Europa tentou reproduzir. É uma pequena amostra de quatro grandes bandas nos seus berços e iniciando seus melhores momentos pois logo em seguida elas devastariam a cena metal com seus espetaculares debuts. A coletânea continha:

- SARCOFAGO.
1. Recrucify
2. Black Vomit
3. Satanas

- MUTILATOR.
1. Believers of Hell
2. Nuclear Holocaust

- CHAKAL
1. Cursed Cross
2. Mr. Jesus Christ

-HOLOCAUSTO
1. Destruição Nuclear
2. Escarro Napalm
(Falar dos destaques)

Uma pérola vinílica sem preço, com muito orgulho guardo esta magnífica obra em seu formato original.

SEPULTURA – BESTIAL DEVASTATION 1985
/ MORBID VISIONS 1986
Nestes 2 primeiros trabalhos o Sepultura se entitulava Death Metal, independente de que rótulo eles melhor se encaixavam, o que particularmente julgo imperceptível, eles apresentaram 2 trabalhos extremos e renegados pelos fãs mais polidos da banda. Particularmente acho ambos perfeitos e muita banda gringa bebeu destas fontes. A abordagem lírica era totalmente voltada ao macabro o que se perdeu nos álbums vindouros, onde passaram a abordar temas sociais, é claro, já almejando um mercado internacional.

BESTIAL DEVASTATION 
1."The Curse"
2."Bestial Devastation"
3."Antichrist"
4."Necromancer"
5."Warriors Of Death"





MORBID VISIONS
1. "Morbid Visions"
2. "Mayhem"
3. "Troops of Doom"
4. "War"
5. "Crucifixion"
6. "Show Me the Wrath"
7. "Funeral Rites"
8. "Empire of the Damned"

SARCÓFAGO – INRI 1987
Já falei muito sobre este disco no post anterior quando me referia ao ano 1987. Isto aqui é simplesmente uma obra-prima, algo que será apreciado, estudado e degustado eternamente pelos black metal die hard fans, como eu! Então se quiserem ler mais sobre ele cliquem aqui.

1. Satanic Lust
2. Desecration Of Virgin
3. Nightmare
4. I.N.R.I.
5. Christ's Death
6. Satanás
7. Ready To Fuck
8. Deathrash
9. The Last Slaughter


HOLOCAUSTO – CAMPO DE EXTERMÍNIO 1987
Outro grande álbum que comentei no post sobre 1987, leia mais aqui.

1.Intro
2.Campo de Extermínio
3.Forças Terroristas
4.Scória
5.Facção Revolucionária Armada
6.Regimento da Morte
7.III Reich
8.Vietnã
9.Guerrilheiro Suicida
10.Setembro Negro

VULCANO – LIVE 1985
Primeiro álbum desta que é considerada nada menos que a primeira banda de Black/Death Metal da América Latina, Fenriz do grande Darkthrone, disse a revista brasileira Lucifer Rising, especializada em black e death metal, o quanto era fã da banda e que eles já faziam música extrema quando ele ainda era uma criança. O diferencial deste disco é ser ao vivo, afinal, é raríssimo termos como primeiro disco um ao vivo, as bandas preferem fazer uso da oportunidade de se mostrarem num álbum pela primeira vez ao público com suas músicas bem produzidas em um estúdio, mas o Vulcano resolveu fazer a diferença e mostrar ao mundo tamanha potência, peso e originalidade que seu som continha com a vibração dos fãs ao fundo. Disco grande e a frente de seu tempo, imortal em toda a sua simplicidade e honestidade.

1.Witche's Sabbath
2.Prisoner from Beyond
3.Fallen Angel 07:53
4.Riding in Hell
5.The Signals
6.Guerreiros de Satã (Satan's Warriors)
7.Devil on My Roof
8.Total Destruição (Total Destruction)
9.Legiões Satânicas (Satanic Legions)

VULCANO – BLOODY VENGEANCE 1986
Um dos primeiros álbums de black metal que ouvi na vida. É ainda hoje uma das raízes do estilo, incomparável e original. Cometi a grande GAFE de não ter falado sobre ele no meu post sobre 1986, então farei a sua devida e merecida homenagem aqui.

Lançado em 1986, com uma capa que deixa qualquer banda de black metal da segunda geração pra trás, trouxe-nos um som, rápido e cru, com letras macabras, um vocal único e guitarras eletrizantes. Em tudo que já conheci e ouvi de black metal, não troco este disco por nada, em 5 anos antes do black metal começar a eclodir na escandinavia estes paulistas já haviam ditado as regras, um dos grandes orgulhos do metal nacional. E ainda mais, eles tiveram apenas 24 horas para gravar e mixar as músicas. Um álbum essencial para os fãs de Black e Death Metal de todo mundo.

1.Dominios of Death
2.Spirits of Evil
3.Ready to Explode
4.Holocaust
5.Incubus
6.Death Metal
7.Voices from Hell
8.Bloody Vengeance

Ainda na década de 80, mais precisamente em 1987, 4 rapazes de Oslo, Noruega, lançariam as raízes do que futuramente se tornaria o tão conhecidoTrue Norwegian Black Metal. Eles não tinham noção do quão influente e importante aquele disco seria, tamanha influencia ele exerceu em todas as bandas que rapidamente o seguiram. Eles eram o Mayhem e o álbum chamava-se DEATHCRUSH. O metal europeu nunca mais seria o mesmo...

MAYHEM – DEATHCRUSH 1987
Álbum que reiniciou o Black Metal na Europa. Primeiro disco da segunda geração do Black Metal. Um álbum destruidor, até a sua intro instrumental que foi composta por Conrad Schnitzer que já tocou no Tangerine Dream, é foda, mas se tivesse que citar os verdadeiros épicos eu diria que são as músicas DEATHCRUSH, CHAINSAW GUTSFUCK e NECROLUST e é claro uma cover from hell de WITCHING HOUR do Venom. Na minha opinião o Mayhem se resume em 2 álbums, este e o magnífico DE MISTERIIS DOM SATHANAS.

1.Silvester Anfang
2.Deathcrush
3.Chainsaw Gutsfuck
4.Witching Hour
5.Necrolust
6.(Weird) Manheim
7.Pure Fucking Armageddon
8.Outro

O grande advento do início da década de 90 foram partes do planeta lançando bandas com propostas semelhantes, mas trabalhos completamente diferentes entre si, podemos tranquilamente rotulá-los como “black metal” mas sua sonoridade, principalmente nos debuts são incomparáveis.

Então, seguindo, o black metal nos anos 90...

<<<BRASIL – O poder vindo de Salvador - Bahia >>>

MISTIFYER – WICCA 1992
Formados em 1989 em Salvador, Bahia, estes caras mostraram inventar e reinventar um estilo, não foram os pioneiros na música extrema mas ao ouvir seu som não encontramos nenhum vestígio de seus antecessores, como Sarcófago, Holocausto ou mesmo o Vulcano. Wicca foi lançado em 1992 e até hoje é consagrado com um dos melhores álbums de black metal já concebido em terras tupiniquins. São 9 petardos sonoros mais uma intro e uma finalização de 57s. Os destaques da equipe pra mim são o vocal a cargo de Meugninousouan que até hoje não encontrei vocais tão bizarros como os dele, eu já ouvi muita coisa mas vocais iguais aos dele neste álbum não existem, são muito sinistros e a bateria que é creditada a Lucifuge Rofocale é uma metralhadora absurda. Imperdível. Em 2002 a Mutilation Records relançou o álbum em uma versão dupla em vinil, que é justamente a que eu tenho.

1.The Witch Voisin Recites Our Gloat
2.Osculum Obscenum
3.Tormentum Aeternum
4.Cursed Excruciation
5.Defloration (The Antichrist Lives)
6.(Invocacione) The Almighty Sathanas
7.The Dark Kingdom (T.E.A.R.)
8.An Elizabethan Devil-Worshiper's Prayer-Book
9.Hyoscyamus Niger
10.Mystifier (Satan's Messengers)
11.Our Gloat


<<<CANADÁ – O filho bastardo do Sarcófago>>>

BLASPHEMY – FALLEN ANGEL OF DOOM 1990
Depois do lançamento da demo BLOOD UPON DE ALTAR em 1989 estes canadenses iniciariam sua breve carreira com este full length juntando selvageria e destruição que, apesar da gravação tosca, não diminui o seu valor. Peça fundamental na história do Black Metal.

1.(Winds of the Black Godz)
2.Fallen Angel of Doom
3.Hoarding of Evil Vengeance
4.Darkness Prevails
5.Desecration
6.Ritual
7.Weltering in Blood
8.Demoniac
9.Goddess of Perversity
10.The Desolate One (Outro)

<<<FINLÂNDIA – Black metal cult e visceral>>>

BEHERIT – OATH OF THE BLACK BLOOD 1991
Este álbum não era para entrar na discografia oficial da banda, nem tampouco como um debut, afinal ele é a compilação das demos DEMONOMANCY e DAWN OF SATAN’ S MILLENNIUM, bom, querendo ou não, sob a autorização da banda ou não, este é definitivamente seu primeiro álbum, cru e devastador.

1.Intro: Temple
2.Metal of Death
3.The Oath of Black Blood
4.Grave Desecration
5.Witchcraft
6.Goat Worship
7.Demonomancy
8.Black Mass Prayer
9.Beast of Damnation
10.Hail Sathanas
11.Dawn of Satan's Millennium

IMPALED NAZARENE – TOL CORMT NORZ NORZ NORZ 1992
Primeiro desta banda extensivamente conhecida no meio black metal por ter um estilo próprio com sonoridade nitidamente hardcore, principalmente nos álbums pós SUOMI FINLAND PERKELE, eu particularmente prefiro, disparadamente os 2 primeiros trabalhos em que a veia black estava predominante. Este álbum em específico é especial e diria com uns toques extras de esquisitices, mas que não ofuscam nem um pouco a magnitude do debut. Um álbum agressivo aos ouvidos despreparados, pra mim, uma pérola da música extrema e talvez o seu melhor trabalho na opinião deste que vos escreve.

1.Apolokia
2.I Al Purg Vonpo / My Blessing (The Beginning of the End)
3.Apolokia II: Aikolopa 666
4.In the Name of Satan
5.Impure Orgies
6.Goat Perversion
7.The Forest (The Darkness)
8.Mortification / Blood Red Razor Blade
9.The God (Symmetry of Penis)
10.Condemned to Hell
11.The Dog (Art of Vagina)
12.The Crucified
13.Apolokia III: Agony
14.Body-Mind-Soul
15.Hoath: Darbs Lucifero
16.Apolokia Finale XXVII A.S.
17.Damnation (Raping the Angels)

<<<NORUEGA – As sementes do início de uma nova era>>>

Nos anos 90 me arrisco dizer que esta foi a cena mais importante, pelo seguinte motivo, todas as principais bandas que adentraram no estilo, umas com debuts e outras como o Darkthrone, que era death e mudou radicalmetne pro black metal, tinham trabalhos totalmente distintos. Este fato é perfeitamente perceptível e é o que torna esta cena única, acho fabuloso tantas bandas surgirem sobre o mesmo manto (BLACK METAL) mas com sonoridades e letras peculiares a cada uma.

Outro fato relevante desta cena foi a convenção musical chamada Necro-Sound, algo como som cadavérico, nas palavras de Varg Vikernes. Havia, no final dos anos 90, uma tendência de embelezar o som, tornar mais audível e muito melhor produzido, principalmente por bandas de death metal fazendo-as soar mais limpas, espantando o “ranso” que, querendo ou não, está intrínseco na música extrema, é parte de seu contexto, principalmente no abordado Black Metal. Então estas bandas abaixo optaram por, algumas intencionalmente outras nem tanto, gravar seus discos com baixa produção/qualidade, um som tosco, frio e bem distorcido o que as tornaram ainda mais únicas em suas respectivas audições, a sonoridade é genial para quem aprecia o estilo, era um protesto contra as produções polidas e limpas.

Era um turning point para o metal mundial, uma nova gama de bandas com propostas sérias e totalmente ANTI-FASHION. Todos os álbums selecionados abaixo são historicamente importantes para o estilo, todos eles delineiam as características principais de uma forma magnífica. O leitor perceberá 2 coisas, eu não me preocupei em realizar um review dos álbums, posteriormente talvez, a grande maioria destes álbums são os que considero melhores das respectivas bandas citadas.

DARKTHRONE – A BLAZE IN THE NORTHERN SKY 1992
Antes deste álbum esta que é a melhor banda de Black Metal na minha opinião, tinha gravado um álbum 100% Death Metal, o grande SOULSIDE JOURNEY, que apesar de muito bom estava longe de mostrar ao mundo o que realmente eles eram capazes. A BLAZE veio como um vento gelado ouvidos mundiais quando foi lançado, as guitarras como serras-elétricas os vocais rasgados e o som característico estava formado. Ele perde apenas para o TRANSYLVANIAN HUNGER e UNDER A FUNERAL MOON de toda a sua carreira.

1.Kathaarian Life Code
2.In the Shadow of the Horns
3.Paragon Belial
4.Where Cold Winds Blow
5.A Blaze in the Northern Sky
6.The Pagan Winter

EMPEROR – EMPEROR/IN THE NIGHTSIDE ECLIPSE 1994
Sem sombras de dúvidas este é o que considero melhor álbum da banda, os outros são meros coadjuvantes em sua discografia. Mais sobre a banda aqui.

1.Intro
2.Into the Infinity of Thoughts
3.The Burning Shadows of Silence
4.Cosmic Keys to My Creations & Times
5.Beyond the Great Vast Forest
6.Towards the Pantheon
7.The Majesty of the Nightsky
8.I Am the Black Wizards
9.Inno A Satana

SATYRICON – DARK MEDIEVAL TIMES 1994
Jamais na carreira de Satyr/Frost eles conseguiriam alcançar esta sonoridade, mesmo nos excepcionais SHADOWTHRONE e NEMESIS DIVINA. A audição desta pérola é formidável, um álbum congelante. Uma das mais belas instrumentais do Black Metal encontra-se neste disco a Min Hyllest Til Vinterland. Em sua contra-capa do CD existe uma nota a respeito do álbum, deixarei que ela fale por mim:

"DARK MEDIEVAL TIMES é um conceito baseado na idade média, 1349,
e quando os Vikings dominavam a terra do norte.
A música foi criada nos meus momentos mais obscuros
em uma transbordante crença medieval.
A música é atemporal e indenpendente.
Inspiração é tirada das maravilhosas paisagens da Noruega,
e ambas letras e música são chaves para as últimas forças do tempo.
Abra o portão para os Tempos Medievais Obscuros e façam-se presentes
os domínios do Satyricon, 2 grandes espadas e uma bandeira de Domínio e ódio.
Dark Medieval Times é música obscura medieval
para os antigos verdadeiros Vikings da Noruega."

1.Walk the Path of Sorrow
2.Dark Medieval Times
3.Skyggedans
4.Min Hyllest Til Vinterland
5.Into the Mighty Forest
6.The Dark Castle in the Deep Forest
7.Taakeslottet

IMMORTAL – DIABOLICAL FULL MOON MISTICISM 1992
O melhor disco do Immortal na minha opinião, muitos discordam, mas acho este o mais puro em sua proposta, e difere 100% de tudo que estava simultaneamente sendo lançado, inclusive as bandas anteriores a data deste lançamento. Este álbum foi um grande diferencial pois não existe aqui um compromisso com a velocidade, porque as músicas são em sua grande maioria cadenciadas e com um peso absurdo. Um álbum espetacular.

1.Intro
2.The Call of the Wintermoon
3.Unholy Forces of Evil
4.Cryptic Winterstorms
5.Cold Winds of Funeral Dust
6.Blacker than Darkness
7.A Perfect Vision of the Rising Northland

BURZUM – BURZUM 1992
Um discasso do Burzum, faz parte das três primeiras espetaculares duplas de discos de estúdio lançados pela banda. O Burzum lança discos em duplas, este em específico faz dupla com DET SOM ENGANG VAR. Uma das pedras fundamentais do Black Metal norueguês.

1.Feeble Screams from Forests Unknown
2.Ea, Lord of the Deeps
3.Black Spell of Destruction
4.Channelling the Power of Souls into a New God
5.War
6.The Crying Orc
7.A Lost Forgotten Sad Spirit
8.My Journey to the Stars
9.Dungeons of Darkness

Outros 3 grandes debuts desta fazem são BORKNAGAR – BORKNAGAR, ULVER - BERGATT
e GORGOROTH – PENTAGRAM.

Quem curte Black Metal deve estar sentindo falta das bandas suecas como Marduk e Dark Funeral, pois integraram este período, entretanto acho o debut do Marduk muito inferior aos que mencionei acima e os outros álbums, os que julgo melhores são muito semelhantes um do outro, gosto muito apenas do PANZER DIVISION MARDUK e o debut do Dark Funeral, SECRETS OF THE BLACK ARTS considero apenas "bom" nada assim tão relevante. É a minha opinião.

Amigos obrigado a todos pela visita, este foi de longe o maior post do blog, com o tempo eu detalharei e farei um review de cada disco que eu supracitei. Abraços a todos!

Um comentário:

PESSIMITIC Soul disse...

o debut do MARDUK é um black metal tipico de 1989, é inspirado em TREBLINKA(SWE), ou seja, não tem nada a ver com o black metal dos anos 90, embora tenha sido lançado em 1992. antes do EURONYMOUS morrer, os músicos de black metal eram bastante individualistas porque não havia aquele hype enorme que aconteceu apos o VARG ter matado o EURONYMOUS. quando VARG matou EURONYMOUS, criou-se um hype enorme e todo mundo começou achar que BURZUM e outras bandas como GORGOROTH era o estilo de verdadeiro black metal e tudo que fosse diferente disso fosse falso. o cara do MYSTIFIER falou bastante sobre esse assunto. MARDUK foi uma banda que começou bastante individualista e critiva no DARK ENDLES, soando como TREBLINKA e o debut do TIAMAT, black metal tipico de 1989, 1990, pra depois a partir de 1993 a sonoridade ir mudando, ate que do OPUS NOCTURNE pra frente eles não querendo perder o mercado musical, eles almejando o sucesso, pois é uma banda que vive de música, eles aproveitaram tudo o hype do inner circle pra tocar como o DE MYSTERIIS do MAYHEM.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...